Curtir!

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

SEGURANÇA VEICULAR

Cesvi mostra que airbag contribui para segurança viária
Acompanhe o estudo e veja como o equipamento é fundamental para salvar vidas



(13-08-08) - O mais recente estudo do Cesvi Brasil identifica a efetividade potencial do airbag, apontando a real contribuição desse sistema em atenuar fatalidades e lesões em colisões.

O objetivo foi avaliar o potencial impacto que teria a adoção desse recurso, em larga escala, nos veículos do Brasil, partindo de informações disponíveis sobre a efetividade do airbag.

Para isso, foi realizada a análise do impacto potencial em termos de redução de fatalidades e feridos, e do impacto econômico associado às vítimas evitadas.

Foram consideradas as informações de uma pesquisa americana sobre a efetividade do sistema (NHTSA), as estatísticas nacionais (Denatran e outras entidades nacionais) sobre frotas de veículos, sobre os acidentes e acidentados, a frota de veículos segurados e as estimativas dos custos e do impacto econômico associados às vítimas fatais e não-fatais de acidentes de trânsito.

As análises foram feitas para os anos de 2001 a 2007, ou seja, para avaliar o impacto que poderia ter ocorrido, caso a decisão tivesse sido tomada no início deste século.

Das mortes de condutores ocorridas durante o período de seis anos, 3.426 poderiam ter sido evitadas, uma média de 489 ao ano. O impacto econômico que decorreria dessas vidas salvas seria de R$ 630 milhões, cerca de R$ 90 milhões por ano.

Já quando o assunto é evitar ferimentos leves, o número aponta para 71.047 entre 2001 a 2007, 10.150 por ano. O impacto econômico que decorreria desses ferimentos minimizados, em custos e perdas evitadas seria de R$ 1, 58 bilhões, R$ 225 milhões ao ano.
Para a estimativa dos impactos econômicos a pesquisa considerou que a vítima morta evitada transformou-se em ferida, e a vítima ferida evitada transformou-se em ilesa, todas com custos associados, segundo pesquisa do IPEA.

Conclusões

No Brasil, considerando apenas os condutores de automóveis e camionetas, o potencial do airbag poderia contribuir para, em média, manter a vida de aproximadamente 490 pessoas (1,4% dos 35 mil que morrem por ano) que hoje morrem no trânsito, ou evitar ferimentos em mais de 10 mil pessoas, proporcionando um impacto econômico positivo de cerca de R$ 315 milhões por ano.

Como não foram encontrados dados, ficaram de fora, dentre outras coisas, o potencial efeito positivo do airbag em relação aos condutores de picape e os passageiros dianteiros dos veículos que fossem equipados também com airbags desses passageiros.

Considerando os índices médios de uso do cinto adotados nesta pesquisa (estimativa), de 82,7% nas rodovias e 75,2% nas cidades, em 2007, a cada aumento de 10% de adesão ao uso do cinto, temos potencial para salvar mais de 1.600 vidas, com um impacto econômico associado de 156,6 milhões de reais, por ano.

Portanto, esses são dois caminhos claros para evitar vítimas de trânsito e custos associados: realizar esforços para aumentar o uso do cinto e a fabricação de veículos com airbags de última geração.

Texto: Cesvi
Fotos: Divulgação





***
Estudo de grande valia para impulsionar a obrigatoriedade da instalação em série de Air Bags nos veiculos produzidos no Brasil. Mas sou da opinião de que o freio ABS contribuiria mais para prevenção de mortes, já que um acidente poderia ser evitado com uma veículo que freasse melhor e com mais segurança, dando chance de se livrar de uma batida. Já os Air Bags agem quando do acidente, o que gera no mínimo, ferimentos leves nas vítimas. Melhor prevenir do que remediar.

Vídeo da própria CESVI que mostra a eficácia do ABS:


Nenhum comentário:

Postar um comentário